Notícias

  • Estudo recente sobre a atividade em Montes Claros - MG.

    Leia mais...  
  • Estudo dos Tremores de Terra em Montes Claros, MG.

    Leia mais...  
  • Terremoto em Suncho Corral, Argentina, é sentido no Brasil

    Leia mais...  
  •  

     
Imprimir


TÍTULO DO PROJETO: SISMOLOGIA ESCOLAR.
ÁREA DO CONHECIMENTO: EXATAS
ORIENTADOR:George Sand Leão Araújo de França

Projeto

Sismologia é uma ciência pouco conhecida no ensino médio. No entanto podemos melhorar a divulgação dessa ciência, já que essa Ciência tem o campo muito mais vasto estendendo-se ao estudo da geração, propagação e registro das ondas elásticas (sísmicas) que se observam na superfície da Terra e ao estudo das fontes que as produzem. Diversos fenômenos (naturais ou artificiais) podem dar origem à propagação de ondas sísmicas, mas apenas alguns deles são considerados sismos. Enfim, consideramos sismo todo o mecanismo de geração de ondas elásticas cuja origem pode ser determinada no espaço e no tempo. Neste conceito abrangente ficam apenas de fora as fontes de vibração difusas, normalmente designadas por ruído sísmico.

Os sismos têm má fama, já que quando se fala neles é porque algum desastre com provável perda de vidas aconteceu. No entanto o verdadeiro conceito para esse tipo de sismo está ligado a movimentação repentina em falhas geológicas, e são denominados de sismos tectônicos. O termo "sismo" aqui associado à causa do fenômeno é também usado correntemente para representar a vibração do solo que é sentida ou apenas registrada num ponto qualquer à superfície da Terra. A ambigüidade do termo "sismos" é atenuada quando separamos sismos em duas definições terremoto e tremor de terra (abalo sísmico), a Ciência brasileira separa essa definição pelas conseqüências, ou seja, grandes sismos com danos são chamados de terremotos e pequenos sismos de abalos sísmicos.

A Sismologia é um tema pouco estudado nas disciplinas de Ciências no ensino médio e fundamental devido não ser parte da nossa história, mas em 2004 um grande terremoto gerou ondas gigantes (Tsunami) e causou a morte de aproximadamente 283 mil pessoas (USGS, 2007) levou a curiosidade dos professores e alunos de forma geral. Assim, atividades experimentais relacionada com a sismologia podem ser aplicadas com maior facilidade de entendimento.

Para fazer experiências em sismologia é preciso primeiro registrar os sismos e se possível dispor nas Escolas de equipamento adequado. Basicamente é preciso um sensor, um sistema de aquisição e um computador onde se faz a análise e interpretação dos registros. Este equipamento não é facilmente acessível nem é de operação simples. Por isso iniciaremos nossa pesquisa na elaboração e criação de um sensor (sismômetro) que possa ser montado em qualquer lugar e com custo baixo.

Seguindo o exemplo de experiências análogas nos Estados Unidos e Portugal, este projeto também deve envolver Professores de Física do ensino médio na construção de sensores sísmicos e futuramente na montagem de um sistema de aquisição. A Sismologia relaciona-se diretamente com a Geologia e Geofísica no que se refere à compreensão dos fenômenos que originam os tremores de terra, mas também a Física e a Química pois é com conhecimentos dessas áreas que os sismológos estimam a estrutura mais profunda da Terra. A Sismologia é uma extensa cadeia multidisciplinar que contribui para o estudo do nosso planeta dinâmico. Assim, a Sismologia é uma Ciência Global no sentido em que os sismos não respeitam fronteiras e o seu estudo exige um esforço concentrado em uma escala com mesma proporção. É por isso que a Sismologia é hoje um excelente exemplo do uso da internet na difusão de dados e informação. Estes aspectos podem ser explorados na sala de aula com recurso de um computador e em colaboração com os professores e grupos de informática da Escola que poderá ser usado como projeto futuro.

Concomitantemente com a elaboração e construção do sensor, o bolsista se envolverá com os programas de análise que permitem realizar as principais tarefas de pequeno observatório como a identificação das fases sísmicas, determinação da distância epicentral e cálculo da magnitude.

Referências Bibliográficas

Walker, J., 1979, The Amateur Scientist: How to Build a Simple Seismograph to Record Earthquake Waves at Home, Scientific American, v. 241(1), 152-161.
Matias, L. e Torres, L., 2000. O ensino experimental da Sismologia, Comunicar Ciência, Ano I, nº4, 4-5.
Teixeira , W.; Toledo, M.C.M.; Fairchild, T.M.; Taioli, F., 2000, Decifrando a Terra. Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, 558pp
http://earthquake.usgs.gov/regional/world/most_destructive.php , 2007. USGS.

 

pelicula1